Todo dia e a todo momento temos novas possibilidades tecnológicas voltadas à nossa disposição para nos auxiliar à obtenção de uma boa performance nos meios de comunicação via internet, por exemplo. 

No caso do Cluster (ou clustering) – termo que vem do inglês e significa “aglomerar” ou “aglomeração” -, ele costuma ser aplicado em vários contextos, porém, no que diz respeito à computação, faz referência à arquitetura de um sistema que une dois ou mais computadores como se fossem um.  

O cluster está relacionado a um conjunto de categorias chamadas Alta Disponibilidade (ou High Availability (HA)) e Contingência, uma sustentação da alta disponibilidade que executa um trabalho simultâneo. 

Não existe cluster igual ao outro, pois há diferentes tipos de supercomputadores focados em diversos benefícios da fusão e, consequentemente, são mais adequados para determinadas tarefas e mercados. 

Vamos falar mais à frente neste conteúdo sobre os tipos de clusters e suas funcionalidades, portanto, se você quer entender melhor o conceito e as possibilidades de aplicação e expansão do cluster, leia até o final.

O que é cluster físico e virtual?

O cluster físico é presencial e funciona a partir de 2 servidores que trabalham em conjunto. Já o cluster virtual  é o que integra computadores conectados à rede de maneira dinâmica, porque os “nós” existentes podem ser adicionados ou retirados quando necessário. 

Além destes dois, existem outros tipos de clusters com aplicações que podem ser atendidas satisfatoriamente através de uma computação com alto desempenho, isto é:

  • de sistemas meteorológicos;
  • de ferramentas de mapeamento genético; 
  • de simuladores geotérmicos; 
  • de programas de renderização de imagens tridimensionais;
  • etc.

Porém, ainda que eles ofereçam esses recursos e existem muitos tipos de clusters, os principais são: o de alto desempenho, alta disponibilidade e balanceamento de carga, que inclusive é oferecido pelo senhasegura.

Como entender o Cluster de Alta Disponibilidade (HA)?

A Alta Disponibilidade (ou High Availability (HA)) pode ser classificada para uso em Hardware ou Aplicação. A diferença entre ambas é que na Alta Disponibilidade de Hardware, existe uma conexão heartbeat entre os componentes de hardware, que garante uma mudança no hard caso ocorra alguma indisponibilidade.

Ao contrário da Alta Disponibilidade de Aplicação, em que três ou mais instâncias operam de maneira conjunta com uma base de dados sincronizada e abaixo de um balanceador de carga, que distribui as requisições entre as instâncias pertencentes ao cluster.

Sendo assim, o trabalho é distribuído entre várias instâncias com ganho de segurança, para que, se caso alguma delas deixar de funcionar, as demais possam continuar operando normalmente.  

Por que é importante ter a Alta Disponibilidade (HA) aplicada em sua empresa?

Hoje, cada departamento de uma empresa necessita de acesso à internet para se comunicar com seus fornecedores, funcionários, gerentes e clientes, através do e-mail, de mensagens instantâneas, VoIP, CRM etc, e não só isso, também precisam para acessar vídeos no YouTube, redes sociais etc, no período da pausa no almoço.

Não é segredo para ninguém, que como uma forma de garantir a segurança empresarial, atualmente, os aplicativos e serviços voltados ao consumidor estão mudando para modelos em nuvem e híbridos. 

E não é à toa que em algumas empresas, os colaboradores fazem uso do G-suíte com o Google Drive para compartilhar, criar e armazenar seus documentos, planilhas e apresentações. Isso tem acontecido, porque as empresas viram que a TI interna não tem as ferramentas e especialistas para manter o negócio funcionando.

Logo, isso torna-se uma ameaça para a empresa, por isso que ao aplicar uma estratégia de alta disponibilidade, é possível atender os clientes com qualidade e total disponibilidade. 

Além do mais, a arquitetura da Alta Disponibilidade anda de mãos dadas com backup online e recuperação de emergência, porém, este não é seu foco. Seu foco é o design e o investimento na rede.

Quais são os aspectos do Disaster Recovery (DR)?

No caso do Disaster Recovery (DR) ou Recuperação de Desastres, existe uma arquitetura que possibilita a recuperação da infraestrutura, para se caso ocorrer  algum sinistro natural ou de prática humana, o DR restabeleça as funções em um período razoável de tempo.

Dessa forma, é possível utilizar tanto o HA quanto o DR juntos, para uma segurança mais robusta. Inclusive, a presença de latência e a expansão do cluster estão relacionados aos conceitos de HA e DR e é importante ressaltar que a baixa latência entre os “nós” garantem a sincronia de dados entre eles e isso é o que possibilita a expansão dos “nós” no cluster.

O que é o Cluster para Balanceamento de Carga (Load Balancing)?

Para o cluster, o balanceamento de carga está relacionado às tarefas de processamento que são distribuídas de maneira uniforme entre os “nós” e tem o foco em fazer com que cada computador receba e atenda uma requisição sem dividir uma tarefa com outras máquinas. 

O cluster para balanceamento de carga precisa ser capaz de distribuir as requisições de forma equilibrada, de modo que consiga verificar qual máquina está lidando com a menor quantidade de tarefas e assim, direcionar à uma nova requisição.  

Como implantar a Alta Disponibilidade numa empresa?

Uma infraestrutura de Alta Disponibilidade oferecida pelo senhasegura garante com que você consiga, junto ao Disaster Recovery na presença de latência e expansão do cluster, bem como com o balanceamento de carga, atender seus clientes com qualidade, de maneira a valorizar o negócio deles com segurança. 

A arquitetura do senhasegura opera com duas bases de informações: a 1ª é para armazenar as configurações e a outra com os logs e vídeos gerados. Ambas as características variam de acordo com o cenário e com o tipo de dados trafegados conforme a tabela a seguir: 

O senhasegura foi projetado para permitir o funcionamento numa arquitetura com máxima resistência a falhas de hardware, software e energia, e assim garantir que os serviços estejam sempre disponíveis. 

As arquiteturas implantadas com a solução senhasegura para alcançar o máximo de disponibilidade incluem itens como: múltiplos Domain Controllers, clusters e appliances com redundância em fontes de alimentação, placas de rede e discos.

Quer saber como ter o Cluster em sua empresa e configurá-lo para ter uma melhor experiência em seu negócio e mais segurança? Aproveite para conhecer mais sobre PAM Crypto Appliance: uma avançada tecnologia em hardware desenvolvida para a sua empresa. Clique aqui!