Que o mundo está cada vez mais conectado, já não é mais novidade, por isso, quanto mais pessoas tiverem acesso às novas tecnologias, mais informações pessoais ficarão armazenadas, tanto em ambientes on-premises quanto em infraestrutura baseada em Cloud.

Além da legislação da segurança dos dados dos usuários serem cada vez mais rígidas, prezar a segurança em IoT vai além da segurança das informações, já que a falta de configuração de um dispositivo pode causar sérios acidentes ao usuário.

Para ajudar nesta tarefa, eu trouxe os principais desafios de uma corporação para implementar um sistema de segurança em IoT de forma eficiente.

Afinal, o que é IoT?

Explicando brevemente, um dispositivo IoT (Internet of Things) é qualquer ativo físico que possua uma conexão com a internet, como câmeras de segurança, celulares, carros, relógio, assistentes virtuais, televisões, geladeiras etc.

Segundo uma estimativa do Gartner, até 2025, 1 trilhão de aparelhos estarão conectados à internet, o que aumenta ainda mais a preocupação na segurança em IoT.

Problemas na segurança em IoT

Segundo uma pesquisa da Zebra Technologies Corporation, 81% dos usuários temem que seus dados sejam vazados, 73% se preocupam que hackers vão assumir o controle do seu dispositivo e usá-lo para cometer crimes.

Esta preocupação é extremamente válida, já que se um aparelho estiver com a segurança vulnerável, abrirá brechas para que hackers tomem o controle do dispositivo, podendo vazar informações pessoais e até desconfigurar a segurança do aparelho, causando muitos danos físicos ao usuário.

Além disso, existe um grande aumento nos ataques DDos através de IoT.

Os desenvolvedores possuem duas principais dificuldades para implementar soluções seguras em seus equipamentos.

A primeira é fazer com que o projeto caiba no budget estipulado, o que faz com que muitas empresas abram mão de soluções mais caras e eficientes para a segurança de seus usuários.

E a segunda é a falta de experiência das empresas no mundo digital, já que muitas das desenvolvedoras estão migrando do mundo de hardwares para o mundo de software, não atentando-se a pontos fundamentais que garantem a segurança do seu produto.

Práticas simples que podem fazer a diferença

1- Início do projeto: assim que você iniciar o seu projeto, é fundamental que identifique possíveis ameaças em IoT, analise a estrutura de desenvolvimento minuciosamente para detectar as aberturas na segurança de seus sistemas e saber como corrigi-las.

2- Plataformas de segurança: depois de identificar brechas em seu sistema, procure as melhores soluções de segurança para seu hardware e software de acordo com a sua necessidade.

3- Senhas fortes: algo que pode ser muito útil para evitar acessos remotos em seus equipamentos é não permitir que os usuários mantenham a senha padrão ou crie senhas fracas, quanto mais exigência houver na senha, menores serão os riscos de um ataque cibernético.

4- Segurança na atualização: para que não haja riscos de um malware infectar seu dispositivo se passando como atualização de sistema, é fundamental que você possua processos de autenticações eficientes.

5- Revise as leis: as leis de proteção de dados precisam ser revisadas para que não ocorra nenhuma irregularidade que as contrarie.

6- Conheça seus fornecedores: antes de contratar qualquer provedor de segurança, é importante ter garantia de que seus recursos criptográficos são realmente eficazes, portanto, veja a autenticidade nos selos e certificações dos fornecedores.