BR +55 11 3069 3925 | USA +1 469 620 7643

ISO 27001 | GDPR | PCI DSS | SOX | HIPAA | NIST | ISA 62443 ISO 27001 | GDPR | PCI DSS | SOX | HIPAA | NIST | ISA 62443 ISO 27001 | GDPR | PCI DSS | SOX | HIPAA | NIST | ISA 62443 ISO 27001 | GDPR | PCI DSS | SOX | HIPAA | NIST | ISA 62443 ISO 27001 | GDPR | PCI DSS | SOX | HIPAA | NIST | ISA 62443 ISO 27001 | GDPR | PCI DSS | SOX | HIPAA | NIST | ISA 62443 ISO 27001 | GDPR | PCI DSS | SOX | HIPAA | NIST | ISA 62443 ISO 27001 | GDPR | PCI DSS | SOX | HIPAA | NIST | ISA 62443 ISO 27001 | GDPR | PCI DSS | SOX | HIPAA | NIST | ISA 62443 ISO 27001 | GDPR | PCI DSS | SOX | HIPAA | NIST | ISA 62443 ISO 27001 | GDPR | PCI DSS | SOX | HIPAA | NIST | ISA 62443 ISO 27001 | GDPR | PCI DSS | SOX | HIPAA | NIST | ISA 62443 ISO 27001 | GDPR | PCI DSS | SOX | HIPAA | NIST | ISA 62443 ISO 27001 | GDPR | PCI DSS | SOX | HIPAA | NIST | ISA 62443 ISO 27001 | GDPR | PCI DSS | SOX | HIPAA | NIST | ISA 62443 ISO 27001 | GDPR | PCI DSS | SOX | HIPAA | NIST | ISA 62443 ISO 27001 | GDPR | PCI DSS | SOX | HIPAA | NIST | ISA 62443 ISO 27001 | GDPR | PCI DSS | SOX | HIPAA | NIST | ISA 62443 ISO 27001 | GDPR | PCI DSS | SOX | HIPAA | NIST | ISA 62443 ISO 27001 | GDPR | PCI DSS | SOX | HIPAA | NIST | ISA 62443 ISO 27001 | GDPR | PCI DSS | SOX | HIPAA | NIST | ISA 62443 ISO 27001 | GDPR | PCI DSS | SOX | HIPAA | NIST | ISA 62443

5 passos para Gerenciar
o Acesso Privilegiado

como um expert!

ISO 27001 | GDPR | PCI DSS | SOX | HIPAA | NIST | ISA 62443 ISO 27001 | GDPR | PCI DSS | SOX | HIPAA | NIST | ISA 62443 ISO 27001 | GDPR | PCI DSS | SOX | HIPAA | NIST | ISA 62443 ISO 27001 | GDPR | PCI DSS | SOX | HIPAA | NIST | ISA 62443 ISO 27001 | GDPR | PCI DSS | SOX | HIPAA | NIST | ISA 62443 ISO 27001 | GDPR | PCI DSS | SOX | HIPAA | NIST | ISA 62443 ISO 27001 | GDPR | PCI DSS | SOX | HIPAA | NIST | ISA 62443 ISO 27001 | GDPR | PCI DSS | SOX | HIPAA | NIST | ISA 62443 ISO 27001 | GDPR | PCI DSS | SOX | HIPAA | NIST | ISA 62443 ISO 27001 | GDPR | PCI DSS | SOX | HIPAA | NIST | ISA 62443 ISO 27001 | GDPR | PCI DSS | SOX | HIPAA | NIST | ISA 62443 ISO 27001 | GDPR | PCI DSS | SOX | HIPAA | NIST | ISA 62443 ISO 27001 | GDPR | PCI DSS | SOX | HIPAA | NIST | ISA 62443 ISO 27001 | GDPR | PCI DSS | SOX | HIPAA | NIST | ISA 62443 ISO 27001 | GDPR | PCI DSS | SOX | HIPAA | NIST | ISA 62443 ISO 27001 | GDPR | PCI DSS | SOX | HIPAA | NIST | ISA 62443 ISO 27001 | GDPR | PCI DSS | SOX | HIPAA | NIST | ISA 62443 ISO 27001 | GDPR | PCI DSS | SOX | HIPAA | NIST | ISA 62443 ISO 27001 | GDPR | PCI DSS | SOX | HIPAA | NIST | ISA 62443 ISO 27001 | GDPR | PCI DSS | SOX | HIPAA | NIST | ISA 62443 ISO 27001 | GDPR | PCI DSS | SOX | HIPAA | NIST | ISA 62443 ISO 27001 | GDPR | PCI DSS | SOX | HIPAA | NIST | ISA 62443

Tempo de leitura: 9min48

A cada dia surgem mais notícias relacionadas a incidentes de segurança, afetando organizações de todos os tipos e segmentos. Com a maior sofisticação dos ataques e até considerando um contexto de guerra cibernética, a tendência é que o número de incidentes de segurança aumente ainda mais.

Muitos desses ataques cibernéticos têm como vetor de ataque as diversas credenciais privilegiadas espalhadas pela infraestrutura. Segundo a Verizon, em seu relatório Data Breach Investigation Report 2021, 61% dos vazamentos de dados pesquisados envolveram credenciais privilegiadas.

Credenciais privilegiadas, contas administrativas ou superusuários são alguns dos termos conhecidos para se referenciar às credenciais que permitem acesso administrativo, para configurações, manutenção e aplicação de medidas de segurança no ambiente por usuários humanos. Vale lembrar que além das credenciais, relacionadas aos usuários humanos, há também as credenciais privilegiadas relacionadas às máquinas e aplicações, conhecidas como contas de serviço. Por isso,  não à toa, as credenciais privilegiadas são também consideradas as “chaves do reino”, exatamente pelo alto nível de acesso que oferecem em aplicações e sistemas. E não estamos falando apenas do ambiente de TI: credenciais em um sistema ERP do departamento financeiro, com permissão de transferir fundos das contas bancárias da empresa, por exemplo, podem ser consideradas privilegiadas e devem ser adequadamente protegidas contra agentes e ações maliciosas ou não autorizadas, que podem trazer grandes prejuízos financeiras à corporação.

Regulações de segurança como o PCI-DSS, ISO 27001, SOX e o NIST, exigem que os administradores de TI avaliem os privilégios concedidos através das credenciais privilegiadas. Já as leis de proteção de dados como a LGPD, GDPR e CCPA, estabelecem pesadas sanções para organizações que falham em proteger adequadamente dados pessoais de seus clientes, fornecedores, parceiros e até funcionários.

Assim, administrar o ciclo de vida das credenciais privilegiadas, bem como identificar, monitorar e gerenciar as atividades realizadas através delas, é essencial, não apenas para reduzir os riscos de cibersegurança e alcançar conformidade com políticas de segurança e leis de proteção de dados, mas para garantir a continuidade dos negócios.

Logo, para endereçar esse problema, existe a Gestão de Acesso Privilegiado – PAM. De acordo com o Gartner, a solução PAM envolve políticas, estratégias e tecnologias com o objetivo de controlar, monitorar e proteger desde acessos privilegiados a recursos críticos. Além disso, estratégias de PAM auxiliam na implementação das melhores práticas de segurança da informação, como a do Princípio do Menor Privilégio,  fornecendo aos usuários apenas as permissões necessárias para a execução das suas atividades. Ainda segundo o Gartner, até 2022, 70% das organizações irão implementar práticas de PAM para todos os seus casos de uso, um aumento de 40% em relação aos dias atuais.

Sendo a empresa uma startup ou um conglomerado multinacional, a implantação dos controles pelo PAM protege as organizações contra ameaças cibernéticas e erros operacionais, além de trazer melhor eficiência na execução das suas atividades diárias.

Agora você pergunta: Como e por onde começo a implementação da solução PAM na minha organização?

Agora você pergunta: Como e por onde começo a implementação da solução PAM na minha organização?

Para responder essa pergunta, listamos aqui 5 passos essenciais para sua organização gerenciar as credenciais privilegiadas e alcançar a conformidade como um expert!

Descobrir as credenciais privilegiadas no ambiente.

Em ambientes complexos e heterogêneos, identificar os ativos e suas credenciais privilegiadas é um desafio para os responsáveis pela segurança cibernética. Existe também um jargão no mercado de cibersegurança que diz que é impossível rastrear o que não se gerencia, e não é possível gerenciar o que não se conhece. Desta maneira, é necessário que líderes de segurança mapeiem e identifiquem os dispositivos conectados no ambiente e suas respectivas credenciais privilegiadas, permitindo máxima visibilidade das brechas que podem ser exploradas por agentes maliciosos para realizar seus ataques.

Considera  a melhor da categoria pelo Gartner, a solução de descobrimento e gerenciamento de credenciais privilegiadas do senhasegura tem a capacidade de identificar qualquer tipo de dispositivo conectado à sua rede, solucionando com facilidade e agilidade essa etapa!

Confira agora o relatório completo

Implementar o Princípio do Menor Privilégio.

Significa garantir que todas as credenciais do ambiente possua  apenas os privilégios necessários  para completar as tarefas atribuídas a ela. Para isso, é preciso revisar e remover acessos de administrador aos dispositivos na infraestrutura. Além disso, é necessário avaliar o contexto de quem necessita  o Acesso Privilegiado, quais dispositivos e credenciais, além dos riscos envolvidos, sem causar indisponibilidade ou perdas de produtividade operacional. Desta forma, ao reduzir ou eliminar privilégios, é possível alcançar equilíbrio entre eficiência e segurança. 

Descubra agora como implementar o Princípio do Menor Privilégio na sua organização!

Monitorar as ações realizadas através de credenciais privilegiadas.

O time de segurança deve ser capaz de identificar eventuais violações ou abusos de privilégios, durante os acessos realizados, através das credenciais privilegiadas. Desta maneira, é possível garantir a rastreabilidade de todas as ações realizadas no ambiente, otimizando o processo de auditoria de todas as operações  realizadas e obtendo ganhos operacionais no processo de gestão de incidentes.

Através do recurso de Gravação de Acesso Privilegiado do senhasegura é possível minimizar o risco da utilização indevida de credenciais privilegiadas.

Identificar o nível de maturidade em PAM da sua organização.

Descobrir o nível de maturidade em PAM impulsiona a eficiência operacional dentro da sua organização. Com o teste PAMaturity do senhasegura  é possível identificar forças, fraquezas, oportunidades e ameaças, avaliar os recursos tecnológicos já implantados, além de traçar um roadmap de implantação da Gestão de Acesso Privilegiado. 

Agora faça o teste abaixo para descobrir seu nível de Maturidade PAM!

Implementar uma solução de Gerenciamento de Acesso Privilegiado.

De acordo com o Gartner, é impossível gerenciar adequadamente os riscos de Acesso Privilegiado sem ferramentas especializadas de PAM e seus respectivos processos. O senhasegura PAM é a única solução que engloba todos os aspectos do ciclo de vida do Acesso Privilegiado, auxiliando os times de segurança a garantir que as “Chaves do Reino” estarão devidamente protegidas contra agentes maliciosos, entre outras ameaças.

Ao adotar esses 5 passos você será capaz de gerenciar suas credenciais e estar em conformidade com as melhores práticas de segurança da informação como um expert!

Garanta a prosperidade e proteção da sua organização com o senhasegura, a maneira mais confiável, fácil e rápida de estar protegido e em conformidade.

Gostou? Compartilhe!

Copy link
Powered by Social Snap