BR +55 11 3069 3925 | USA +1 469 620 7643

O que é um Plano de Respostas a Incidentes (IRP) e por que é importante ter um?

por | jul 23, 2021 | Blog


C
om o avanço da tecnologia e a revolução na era da informação, a preocupação com a segurança dos dados tem se tornado cada vez mais constante para empresas, governos e usuários. Uma vez que os dados são ativos fundamentais para o crescimento das empresas, investir em proteção é indispensável nas rotinas das organizações.

À medida que as ameaças e crimes cibernéticos aumentam, é preciso intensificar os esforços, implantando medidas de segurança eficazes. Então surge a necessidade de ter dentro da empresa, independentemente do setor, uma equipe especializada em segurança, que trabalhe constantemente na proteção de informações, contando com um Plano de Resposta a Incidentes (IRP). 

Assim, a equipe pode prever as ameaças e desenvolver as melhores ações para combatê-las de forma imediata, sem prejudicar os negócios da empresa.

Portanto, é preciso garantir que esse plano de respostas funcione corretamente, seguindo as etapas fundamentais e seja bem gerenciado. Neste artigo, explicamos o que é um plano de respostas a incidentes, seus benefícios e os aspectos importantes na sua montagem. 

 

O que é um plano de respostas a incidentes (IRP)?

Um IRP é um documento formal que contém um conjunto de ferramentas e procedimentos que uma equipe de TI deve adotar para lidar com os problemas de segurança que surgem na empresa. O objetivo dessas medidas é trabalhar na prevenção, identificação, eliminação e recuperação das ameaças cibernéticas. 

Além disso, garante que as ações sejam tomadas o mais rápido possível, minimizando os possíveis danos ao negócio, que vão desde a perda de dados e prejuízos nos recursos, lucros e perda da confiança do cliente. 

Para obter sucesso em um IRP, é necessário seguir alguns passos fundamentais e que sejam bem gerenciados. O plano padrão com esses passos toma como base  o Incident Handler’s Handbook ou Manual de Tratamento de Incidentes  publicado pelo Instituto SANS. 

É um documento com seis etapas a serem seguidas na construção do plano, são eles:

 

Preparação

O primeiro passo na implantação do plano é a definição de uma equipe específica para trabalhar com os incidentes. A equipe será responsável por criar a documentação de incidentes, contendo os protocolos a serem seguidos na execução das ações do plano. 

É preciso treinar esse pessoal para lidar com as situações seguindo as políticas de segurança da empresa. Isso ajuda a entender exatamente os riscos aos quais a empresa está exposta e as medidas preventivas a serem tomadas em diferentes situações.

 

Identificação 

A equipe responsável deve trabalhar na detecção de desvios das operações, buscando identificar os incidentes e definir sua gravidade. 

Nessa detecção, são documentados o tipo e a gravidade do problema, bem como todos os procedimentos que estão sendo realizados a respeito. A formalização desse incidente deve responder às perguntas “Quem, O quê, Onde, Por que e Como”.


Contenção
 

Após a identificação do incidente, o próximo passo da equipe é trabalhar na contenção, com o intuito de evitar futuros danos da mesma natureza. Essa contenção é divida em procedimentos de curto e longo prazo.

A contenção de curto prazo trabalha na solução imediata do problema, tentando impedir os possíveis danos do ataque, enquanto a de longo prazo são ações mais complexas, que envolvem o restabelecimento de todo o sistema corporativo, visando à sua volta à normalidade.

 

Erradicação 

Após a contenção do problema, as ações de erradicação são iniciadas. Nessa etapa, o enfoque é dado à remoção total da vulnerabilidade e às medidas necessárias para evitar a repetição do problema. 

Essas ações podem envolver uma mudança nos mecanismos de autenticação, como senhas e permissões de acesso ou até mesmo uma restauração de todos os sistemas da empresa que foram afetados. O nível do incidente e a ação mais assertiva serão definidos a partir de indicadores métricos, KPIs.

 

Recuperação

Nessa etapa, a equipe trabalha na verificação e correção de ameaças que podem ter passado despercebidas na etapa anterior, ou seja os resquícios do incidente. Uma ação de varredura e o transporte de cópias de segurança em sistemas de nuvem podem ser uma das medidas necessárias nesse processo. 

Além disso, a equipe avalia o desempenho da etapa anterior, analisando o tempo de resposta, os danos causados e o desempenho das tarefas, para que sejam apontados os novos rumos a serem seguidos.

 

Lições Aprendidas

Para que a equipe esteja preparada para futuros problemas e diminua os eventuais erros, é preciso que seja registrado todo o processo de contenção realizado, contendo os incidentes e os procedimentos para combatê-los. 

É uma etapa muito importante, já que documenta todo o processo e fornece um histórico das ocorrências para auxiliar ações futuras. É também nessa etapa que se avaliam os erros e os acertos das ações, as quais prejudicaram o desenvolvimento das ações ou as potencializaram.

 

Qual a importância de um IRP?

Uma empresa que possui um IRP está mais preparada para lidar com a grande diversidade de  situações relacionadas à segurança das suas informações. As práticas recomendadas no plano ajudam a empresa a prever e combater várias ameaças de modo assertivo. 

Ao adotar essas práticas, a empresa garante maior segurança de seus dados, previne o pagamento de sanções sobre os custos de recuperação de dados e evita as perdas financeiras.

 

Maior segurança dos dados

A implantação de sistemas de proteção e backup, de correção e gerenciamento de acesso, bem como o gerenciamento correto das informações geram ações mais rápidas de proteção e contenção dos incidentes.

 

Redução de custos

Os custos para combater os incidentes podem ser altos, devido às sanções regulatórias, compensação do cliente ou os custos gerais da investigação e restauração dos sistemas. 

Um IRP ajuda a reduzir esses custos, já que atua de forma constante na prevenção dos problemas. Além disso, os prejuízos no lucro também são minimizados, já que além da minimização dos custos, o tempo de inatividade dos sistemas também diminui, limitando a perda dos dados.

 

Mantém e aumenta a reputação da empresa 

Sem a implantação de um IRP, o controle e combate às ameaças fica mais difícil, o que pode acarretar perda nos negócios. Isso porque os incidentes não afetam apenas a parte técnica da empresa, mas estão diretamente relacionados à continuidade  dos negócios. 

Ataques constantes aos dados de um cliente que não foram resolvidos, diminui a credibilidade da empresa responsável pela segurança. Além disso, podem haver perdas de investidores e acionistas por não acreditarem em um negócio falho e de fácil violação. 

Por outro lado, respostas rápidas e eficazes aos incidentes, demonstram maior compromisso da empresa com a segurança e privacidade dos dados, o que aumenta sua credibilidade e reputação.

 

Aspectos importantes da montagem do IRP

Cumprir as etapas do IRP é fundamental para o seu sucesso. Porém, a empresa precisa estar ciente de que não é um processo fixo e que deve ser adaptado à estrutura da organização. 

Daí a importância de balanços periódicos para avaliar constantemente o plano, eliminar suas lacunas e adotar as devidas melhorias.

Para a implementação do plano, não é necessário ter uma equipe grande de profissionais, mas que todos sejam devidamente qualificados, treinados e que disponham de boas ferramentas para garantir os melhores resultados possíveis na execução das atividades. 

Também é preciso que outros setores passem por um treinamento para que tomem conhecimento das políticas de segurança da empresa e saibam como proceder diante dos incidentes e como reportá-los à equipe responsável.

Se interessou pelo assunto? Saiba mais sobre as possibilidades de melhorias do plano de respostas a incidentes no próximo artigo.

Força de senha: como criar senhas fortes para as credenciais?

A força de senha é um dos critérios considerados na criação de políticas de senhas. Afinal, essa é uma das medidas mais eficientes para evitar que as senhas sejam violadas. E se preocupar com isso é de suma importância para as organizações nos dias atuais. Isso porque...

Gestão de Acesso Privilegiado (PAM): guia completo

Em 2021, houve um aumento de 50% no número de ataques em redes corporativas em relação ao ano anterior. É o que aponta a Check Point Research (CPR), divisão de Inteligência em Ameaças da Check Point. E muitos desses ataques envolvem a exploração desse tipo de...

Qual é o risco de senhas hardcoded para o seu negócio?

Já estamos no mês de maio, e você sabe o que comemoramos na primeira quinta-feira deste mês? Sim, é o Dia Mundial das Senhas. Celebrado desde 2013, este dia vem nos lembrar da adequada consciência cibernética e da importância da proteção das senhas em todos os...

As 7 melhores práticas de gestão de patches de tecnologia operacional

Para proteger infraestruturas críticas contra invasores, a abordagem recomendada é a de pensar como eles. Ativos de Tecnologia Operacional (TO) vulneráveis são uma ótima oportunidade para agentes mal-intencionados. Quando os patches são lançados ao público, as...

As melhores práticas de prevenção contra roubo de dados

É importante ressaltarmos que com a transformação digital e o aumento na utilização dos meios digitais identificados nos últimos anos, houve também um disparo na prática de crimes cibernéticos, ou seja, aqueles crimes que ocorrem através dos meios virtuais. Esses...

Ciber Ataques – Sua empresa consegue encarar?

Apesar do arrefecimento da pandemia de Covid-19, os desafios associados a esse período ainda estão sendo endereçados pelas organizações. E para segurança cibernética, 2021 não foi um ano fácil para as organizações desde organizações de saúde e indústria...
Copy link